POR QUE O PORTAL ??

Este Blog retrata a difícil convivência com alguém que optou pelo caminho errado em busca do prazer da droga. Sofri sentindo os efeitos de uma doença tão perigosa quanto à dependência química: a Co-Dependência. Passei por muitos sofrimentos e vitórias. Por experiência própria vivida, sei exatamente quais os traços de comportamento, sinais da abstinência, como identificar um adicto por ter convivido tão de perto com este problema . Espero com isso poder levar ajuda a muita gente, transmitindo mais e mais informações sobre este assunto que em minha opinião é tão pouco divulgado.

NOVIDADE: DEPOIMENTO

O PORTAL ESTÁ COM UM NOVO COLUNISTA COLABORADOR- "UM ADICTO EM RECUPERAÇÃO" RELATANDO SEU SOFRIMENTO EM NÃO ACEITAR A SUA ADICÇÃO E A RECUPERAÇÃO QUE VIVE HOJE .(postagens com fundo azul escuro)

"Saiba reconhecer alguns sinais do uso de drogas" - Rádio Estadão AM1290 - com Fabíola Pece

quarta-feira

A liberação da maconha seria boa para a sociedade?


 O ex-presidente Fernando Henrique iniciou uma cruzada pela liberação da maconha. Por ser um tema polêmico, penso ser importante o debate. Aliás, o Supremo Tribunal Federal liberou a “Marcha da Maconha”, entendendo que não se pode cercear o direito à livre expressão e que isso não caracterizava o crime de apologia ao uso da droga. 
Na verdade, a sociedade só evolui quando há liberdade para o debate e democracia para se respeitar todas as opiniões.
 
Diante disso, nada mais justo do que provocar as nossas inteligências para estimular o bom debate. O tráfico de drogas é a causa de parcela significativa de homicídios em Salvador. Argúem, os defensores da liberação da maconha, que com a liberação desta erva acabaria o tráfico, a corrupção de autoridades, as mortes, por disputa de mercado, geraria impostos etc.
Alegam, também, que a maconha é menos prejudicial do que o cigarro e o álcool.
 
Estatisticamente, as bebidas alcoólicas e o tabaco matam mais do que a maconha. O álcool mata no trânsito e o cigarro pelo câncer. Por outro lado, não se tem notícias de muitas mortes ligadas diretamente à maconha. Todos esses argumentos são interessantes e nos leva à reflexão como seres pensantes. Entretanto, existem argumentos contrários que torna o debate ainda mais interessante.

Veja que a liberação da maconha acabaria com o tráfico da erva, mas continuaria com o comércio ilegal de outras drogas, como a cocaína, crack, oxi, etc. Portanto, todas as consequências do tráfico, como assassinatos e corrupção continuariam. Pode ser verdade que a maconha seja menos prejudicial do que o álcool e do que o tabaco, mas continua sendo prejudicial. Não podemos esquecer que a maconha é uma droga. Tirá-la da clandestinidade não significa que deixará de ser droga. Temos que lembrar que a nossa sociedade vive um momento de restrições do álcool e cigarro. Isso sem falar, que o Código de Trânsito criminalizou a direção sob a influência de álcool. Está proibido, também, o uso de tabaco em ambientes coletivos. Seria um contra-senso, no momento em que se restringe as drogas lícitas, querer legalizar outra droga.

Outro fato concreto é que sendo o cigarro e o álcool drogas legalizadas, temos muitos mais viciados que sobrecarregam nosso sistema de saúde para o tratamento de vítimas e doentes decorrentes dessas drogas. Quem pode garantir que a liberação da maconha não iria aumentar o número de viciados e agravar ainda o nosso combalido SUS? Quem pode garantir que a liberação da maconha não iria aumentar os acidentes de trânsito? Quem pode garantir que a liberação da maconha não iria servir de trampolim para outras drogas mais pesadas? Estaria o Poder Público estruturado para enfrentar esses problemas que poderão advir com a liberação da maconha?

Com a liberação da maconha, não viria a campanha para liberar a anfetamina, a cocaína, o oxi, o LSD, sob o mesmo argumento de acabar com o tráfico? Hoje, com todo o preconceito e repressão às drogas, as mesmas representam uma das maiores causas da violência. A liberação da maconha poderia agravar esse quadro. Penso que o debate é salutar e deve continuar, mas a liberação da maconha seria um tiro no escuro, onde não saberíamos como e quem seria atingido.

Um comentário:

Roberto Brunelli disse...

Curta a pagina no facebook/ FEBRACI
Federação Brasileira de Clinicas Terapeuticas involuntarias
Inscreva-se dia 13 de Abril no 1° Congresso das filiadas

POSTS MAIS ANTIGOS

CADASTRE SEU E-MAIL