POR QUE O PORTAL ??

Este Blog retrata a difícil convivência com alguém que optou pelo caminho errado em busca do prazer da droga. Sofri sentindo os efeitos de uma doença tão perigosa quanto à dependência química: a Co-Dependência. Passei por muitos sofrimentos e vitórias. Por experiência própria vivida, sei exatamente quais os traços de comportamento, sinais da abstinência, como identificar um adicto por ter convivido tão de perto com este problema . Espero com isso poder levar ajuda a muita gente, transmitindo mais e mais informações sobre este assunto que em minha opinião é tão pouco divulgado.

NOVIDADE:


No menu acima acesse : "PROFISSIONAIS EM DEP. QUÍMICA" e tenha acesso a várias especialidades com todos seus contatos

"Saiba reconhecer alguns sinais do uso de drogas" - Rádio Estadão AM1290 - com Fabíola Pece

segunda-feira

Prepotência


Os dependentes químicos costumam seguir a um padrão de personalidade ao longo do tempo da sua dependência. Existem linhas e características de comportamento, relacionamento e percepção da realidade comum aos dependentes químicos.
Isso não significa que eles fiquem todos com a mesma personalidade, mas que, dentro da individualidade de cada um, apresentam peculiaridades comuns uns com os outros.
É comum as pessoas que conheceram anteriormente o dependente, antes do uso abusivo da droga, estranharem suas atitudes e comportamento atuais,
achando que  essa pessoa parece não ser a mesma conhecida anteriormente.
Uma das características comum a grande maioria dos dependentes químicos é o sentimento de arrogância, de prepotência.
A prepotência nada mais é do que um sentimento “falso” de superioridade, ou de auto-afirmação da pessoa que se acha superou as demais.
No fundo toda prepotência é uma reação a uma impotência a ser escondida. Quando não há o poder real, no sentido de uma capacidade para realizar, surge o poder de dominação, pois na verdade quem realmente tem o poder não precisa ser prepotente.
Prepotência e orgulho caminham na mesma trilha. O termo “orgulho” pode ser empregado tanto como sinônimo de soberba e arrogância quanto para indicar dignidade ou brio.
Algumas pessoas consideram que o orgulho para com os próprios feitos é um ato de justiça para consigo mesmo. Ele deve existir, como forma de elogiar a si próprio, dando forças para evoluir e conseguir uma evolução individual, rumo a um projeto de vida mais amplo e melhor. O orgulho em excesso pode se transformar em vaidade, ostentação, soberba, sendo visto então como uma emoção negativa: a Arrogância.
O orgulho e a prepotência quando exagerados se tornam um tipo de satisfação incondicional ou quando os próprios valores são superestimados, acreditando ser melhor ou mais importante do que os outros.
O contrário do orgulho é a humildade, que é firme, segura, sóbria e jamais compartilha com a hipocrisia ou com a pieguice.
Quem é orgulhoso carrega a soberba, a prepotência e nega tudo o que a humildade defende.
Uma pessoa muito orgulhosa se acha perfeita. A pessoa humilde diz: “eu sou bom, porém não tão bom como eu gostaria de ser”.
A pessoa orgulhosa não aceita crítica, a humilde está sempre disposta a ouvir todas as opiniões e a reter as melhores.
Quem é humilde cresce sempre, quem é orgulhoso fica estagnado, iludido na falsa posição de superioridade.
Enfim, como se pode perceber, o orgulho em excesso impede a evolução do ser humano, já a humildade é chave que abre portas para o crescimento.
O orgulho e prepotência acabam sendo barreiras para o dependente químico, pois o impedem de pedir ajuda, o fazem supervalorizar seu controle particular – o que reflete em um elevado grau de insegurança e de racionalização dos desejos.
Ela parece repousar em uma noção profundamente arraigada de onipotência pessoal – idéia de que alguém possa ser invulnerável às conseqüências indesejáveis da existência, tais como aborrecimentos, dores, etc. É como se a pessoa quisesse dizer: “isso não pode me acontecer”. É característico do adicto acreditar que pode assumir o risco e de algum modo evitar as conseqüências tão evidentes para os outros. Isto acontece porque a atenção do depedente químico se focaliza no “pseudocontrole’ contínuo do seu próprio estado – um controle que valoriza excessivamente e que na verdade não existe.
Despir-se destes sentimentos fazem com que o dependente químico deixe de alimentar sua doença e procure resolver seus problemas de forma mais realística.
Torna-se totalmente insensato o indivíduo que pensa conseguir parar de usar as substâncias vivendo da mesma maneira que anteriormente, deve-se mudar: comportamentos, pensamentos, buscar um crescimento espiritual e controle sobre emoções e sentimentos.
A dependência química não é uma batalha fácil de ser vencida, mas não é nada impossível. O que se pode garantir é que após um período de recuperação (Sobriedade), tudo o que você necessita fazer para permanecer sóbrio se torna rotina em sua vida, com o passar dos dias as dificuldades vão diminuindo e o amor pela sobriedade vai crescendo.
Vale reforçar: seja sempre humilde, procure sempre ajuda, não deixe que o orgulho seja maior que a humildade; sempre existiu e sempre existirão pessoas que nos ajudarão.

Nenhum comentário:

POSTS MAIS ANTIGOS

CADASTRE SEU E-MAIL