POR QUE O PORTAL ??

Este Blog retrata a difícil convivência com alguém que optou pelo caminho errado em busca do prazer da droga. Sofri sentindo os efeitos de uma doença tão perigosa quanto à dependência química: a Co-Dependência. Passei por muitos sofrimentos e vitórias. Por experiência própria vivida, sei exatamente quais os traços de comportamento, sinais da abstinência, como identificar um adicto por ter convivido tão de perto com este problema . Espero com isso poder levar ajuda a muita gente, transmitindo mais e mais informações sobre este assunto que em minha opinião é tão pouco divulgado.

NOVIDADE: DEPOIMENTO

O PORTAL ESTÁ COM UM NOVO COLUNISTA COLABORADOR- "UM ADICTO EM RECUPERAÇÃO" RELATANDO SEU SOFRIMENTO EM NÃO ACEITAR A SUA ADICÇÃO E A RECUPERAÇÃO QUE VIVE HOJE .(postagens com fundo azul escuro)

"Saiba reconhecer alguns sinais do uso de drogas" - Rádio Estadão AM1290 - com Fabíola Pece

quarta-feira

Dependência química pode vir de uma predisposição genética


Estudo realizado pelo Instituto de Neurociência e Comportamento da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, apontou que a dependência química pode estar ligada a uma predisposição genética.
Os cientistas compararam a estrutura cerebral e a habilidade de autocontrole entre irmãos, um indivíduo saudável e outro dependente químico.
Os resultados revelaram que as alterações já identificadas previamente no cérebro dos toxicômanos também foram observadas nos irmãos que nunca usaram drogas. Ainda segundo os especialistas, o cérebro dos usuários de drogas parece ter poucos receptores de dopamina, molécula que desempenha um importante papel no “efeito de recompensa”.

Efeito de recompensa
As drogas acionam o sistema de recompensa do cérebro, uma área responsável por receber todos os tipos de estímulos de prazer (sensação de temperatura agradável, alimentação, sexo) e transmiti-los para o corpo todo. Porém, elas interferem nesse sistema com uma falsa sensação de prazer, que induz o indivíduo a repetir seu uso compulsivamente.
Risco de dependência

Em outra pesquisa, do departamento de Estudo Colaborativo da Genética do Alcoolismo, da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, os dados mostraram que uma grande parcela dos filhos de pais alcoolistas (aproximadamente 50% dos irmãos e 25% das irmãs) era dependente de álcool. Em relação à maconha, cocaína e hábito de fumar, observou-se também um elevado risco de dependência.
É como se a genética se comportasse conforme a base familiar, que é fundamental para o desenvolvimento dos jovens. Se dentro de casa a criança ou adolescente se depara com exemplos negativos – violência e uso de drogas, por exemplo – vindo dos próprios pais, eles tendem a enxergar e entender o mundo assim, e as atitudes deles fora de casa serão condizentes ao que foi assimilado.
De acordo com o psicólogo Leonardo Falcão, muitos estudos ainda estão sendo realizados nesse campo, e são eles que vão nos ajudar na prevenção do abuso de drogas e no tratamento da dependência química. Porém sempre lembrando que a questão genética é um dos componentes para o diagnóstico, mas não o fator determinante.

Durante a gravidez

O psicólogo aborda outro ponto muito importante, o uso de drogas durante a gravidez. Além de aumentar as chances do jovem se tornar um dependente químico, interfere diretamente na qualidade de vida da mãe e do bebê.
“São vários os riscos causados pela utilização de drogas durante a gravidez. Entre eles, para as mães, podemos destacar hipertensão, má nutrição e parto prematuro. Já para o bebê, pode ocasionar desde infecções, defeitos congênitos, problemas neurológicos e comportamentais”, finaliza Falcão.

Nenhum comentário:

POSTS MAIS ANTIGOS

CADASTRE SEU E-MAIL